quarta-feira, 22 de julho de 2009

Congresso da UNE

Notícia retirada do portal globo.com

Começa limpeza de escolas depredadas durante congresso da UNE em Brasília
Secretaria de Educação cedeu colégios para acomodar estudantes.Estudantes disseram que vão pagar por prejuízos causados.

Do G1, em Brasília

A Secretaria de Educação do Distrito Federal começou nesta quarta-feira (22) o conserto das nove escolas públicas depredadas durante o congresso da União Nacional dos Estudantes (UNE), no último final de semana. Segundo a secretaria, foram encontradas cadeiras e torneiras quebradas, banheiros entupidos e sujeira. Os estudantes dizem que, apesar do lixo, somente uma fechadura foi danificada.


O banheiro de uma das escolas usadas como alojamento por congressistas da UNE em Brasília após a saída dos estudantes (Foto: Secretaria de Educação do DF)
De acordo com a secretaria, os prejuízos ainda estão sendo levantados. A UNE, por sua vez, disse em nota que vai arcar com todos os custos. O tesoureiro-geral da entidade, Harlem Oliveira, responsável pela vistoria nas escolas, disse ao G1 que todos os locais estarão limpos até o final desta quarta. Os estudantes usaram as escolas como alojamento durante o congresso, que reuniu cerca de 10 mil pessoas. O Governo do Distrito Federal afirma que encontrou nos locais, além da depredação, comida, papel higiênico, carteiras de cigarro, latas e garrafas de bebidas. Em uma das escolas havia, segundo a secretaria, um suporte para guardar camisinhas.


Mutirão
As aulas na rede pública do DF recomeçam na próxima segunda-feira (27). Segundo o secretário de Educação do DF, José Luiz Valente, o governo organizou um mutirão de reforma para que as escolas possam receber os alunos na volta às aulas, na próxima segunda-feira.

“O estrago é tão grande que hoje é terça feira e a gente não conseguiu terminar o levantamento [dos prejuízos]. Quem fez isso [a depredação] é vândalo mesmo, não tem eufemismo”, disse.

Segundo a entidade, os casos de depredação relatados pela Secretaria de Educação do DF tratam-se de “um comportamento isolado de alguns participantes que a entidade lamenta e condena."

2 comentários:

amasotti disse...

Devido as recorrentes reportagens veiculadas na mídia de todo o país sobre as depredações ocorridas nas escolas públicas do Distrito Federal que serviram de alojamento aos delegados e delegadas do 51º Congresso da UNE, viemos ponderar o que segue:

1 - A Kizomba, corrente interna do movimento estudantil, esteve alojada na CED - CESAS (SGAS 602 BL D). Nesse local ficaram cerca de 400 estudantes do mais diversos estados do Brasil;

2 - Foi nossa primeira preocupação garantir a conservação do local. Em um ambiente onde circulariam centenas de pessoas o lixo se acumularia com grande rapidez. Para evitar isso foi escalada uma comissão que buscava manter o local limpo, espalhamos cartazes de conscientização, entre outras ações;

3 - A escola não tinha chuveiros nos banheiros. Foram instalados, portanto 5 chuveiros no banheiro feminino e 5 no banheiro masculino, inclusive esses chuveiros permaneceram na escola e poderão ser usados pelos alunos da escola;

4 - Dentro das salas de aula e ao redor da escola havia diversos trabalhos de estudantes fixados nas paredes. Ao contrário do que diz as reportagens, nessa escola, nenhum trabalho escolar foi arrancado ou vandalizado, em algumas salas ainda permaneciam recados, nos quadros, de antes do período de férias escolares;

5 - A escola também estava em reformas que, com certeza, melhorarão a qualidade do atendimento escolar dos alunos. Todos os nossos delegados e delegadas conviveram com as reformas que, às vezes, resultava em interrupção no fornecimento de água para os banheiros;

6 - Cabe salientar, também, que havia apenas 2 banheiros para um volume muito grande de pessoas, mas mesmo assim o local em nada se assemelha ao estado relatado pelos meios de comunicação;

7 - A Kizomba é uma das correntes do movimento estudantil que defende uma nova cultura política. Não fazemos apenas discursos, temos prática política e de ação que é reconhecida pelo conjunto dos universitários e que nos transformou na segunda bancada do Congresso da UNE. Dentre as nossas defesas está a da Educação Pública, Gratuita e de Qualidade e seríamos os últimos a depredar o patrimônio que não é do governo mas da comunidade do Distrito Federal;

8 - Condenamos veementemente os excessos cometidos em outros locais e censuramos os nossos próprios colegas se cometaram atos de vandalismo como os relatados.

Por fim, queremos deixar firmado que não pode ser feita uma generalização, como foi feita. Há que se fazer a diferença e ressaltar quem se comportou de maneira diferente, algo que as reportagens não tem feito.

Kizomba
Corrente interna do movimento estudantil

Anônimo disse...

A reportagem só demonstra no que a UNE se tornou atualmente, e o comentário acima demonstra a atual preocupação dos seus integrantes: garantir a distância política dos excessos cometidos pelos membros para garantir força eleitoral...

Não poderia haver melhor retrato do atual movimento estudantil do que este;;;;

Blog da Liberdade