sábado, 7 de agosto de 2010

Segurança: propostas e prioridades.

Com a criminalidade em alta no Campus Darcy Ribeiro novamente veio à tona discussão sobre o policiamento. A nossa reitoria, atuando sempre de forma reativa, firmou na última semana um convênio com a Polícia Militar para intensificar as rondas nas redondezas do Campus. Embora o problema comece a receber mais atenção da Reitoria, ainda há muito a ser feito e as soluções passam inclusive pela adoção de hábitos mais solidários por parte da comunidade universitária.

A princípio a Polícia Militar se fez mais presente, porém essa medida isolada não resolve o problema da insegurança e está aquém daquilo que ainda podemos fazer. Uma medida complementar ao policiamento seria a instalação de CÂMERAS nos estacionamentos da UnB.

Quanto a presença da polícia, sem dúvida tivemos um avanço, mas ainda há muito a conquistar. Vivemos num Estado de Direito onde existem leis promulgadas pela nação brasileira, que instauram direitos e deveres. Porém, muitos desses direitos viram palavras ao vento sem a presença de um magistrado que cumpra a lei e coíba a criminalidade. Não adiante dizer ao assaltante ou ao estuprador que ele está infringindo a lei e invadindo nossos direitos; os criminosos usam a força para nos submeter e cabe ao Estado utilizar a força de forma legítima para nos proteger. Isso é elementar.

Outra forma de melhorar a segurança no Campus é mapear as regiões onde a iluminação é mais precária, substituindo as lâmpadas queimadas e colocando lâmpadas pelos caminhos que dão acesso a L2. Os vários descampados que ficam entre as vias L2 e L3, boa parte dos quais de propriedade da UnB, precisam receber mais atenção. Mesmo após o triste episódio do estupro há alguns meses atrás, promessas foram feitas, prazos foram dados e, todavia, nada mudou. Os terrenos continuam com vegetação alta e a iluminação continua a cargo da lua...

É importante perceber que cada um de nós pode fazer algo para melhorar situação. Aos que possuem carros e estudam a noite, seria de grande valia oferecer caronas aos colegas que precisam pegar ônibus, mesmo que fosse até a parada de ônibus mais próxima. Se precisar ir caminhando até a parada de ônibus, procure se acompanhar de algum colega que seguirá o mesmo trajeto.

Por mais que atitudes como essa evitem crimes, a situação continua absurda e a UnB precisa fazer algo a respeito. Por isso, pressionar nos conselhos pela melhoria da segurança será uma de nossas prioridades.

Representação nos conselhos com competência e seriedade. Este é o compromisso da Aliança pela Liberdade. Vote chapa 5!

2 comentários:

Saulo Said disse...

O uso do termo magistrado foi empregado em seu sentido clássico, qual seja, o de funcionário do poder público.

Felipe de Oliveira disse...

Aqueles que são contra a PM no campus possuem argumentos frágeis que, na maioria das vezes, recaem no espírito estudantil da ditadura militar. Taxam a polícia de "aparato estatal de repressão aos estudantes", sempre. Isso é ridículo, para dizer o mínimo.

Presença da polícia, como foi, é apenas uma dentre tantas medidas que devem ser adotadas para se melhorar a segurança da universidade. Não é possível que se alcance a excelência na UnB quando a comunidade acadêmica encontra-se constantemente à mercê de atos de violência.

Blog da Liberdade